11 coisas que costumo fazer para não surtar!

crazy housewife

Como muitos já sabem, eu cuido da Giulinha e da casa sozinha. Não tenho ajuda de empregada, diarista, babá, creche ou seja lá o que for. Então sabem como é, faço mil coisas ao mesmo tempo e quase enlouqueço tentando dar conta de tudo.

Para manter minha saúde mental intacta, de vez em quando necessito de um tempinho só pra mim. Normal né? Até quem tem ajuda precisa de uns momentos de descanso. Não é fácil pra ninguém. E é aí que entra o intuito do post de hoje: contar pra vocês algumas coisas que faço para não entrar em parafuso. Hahaha.

Quem sabe eu não consiga ajudar alguma mãe desesperada por uma válvula de escape, mas que não tem a mínima ideia de onde possa encontra-la!? É claro que cada um tem a sua realidade. Eu, ainda que não tenha ajuda profissional para cuidar da casa e da minha filha, tenho um marido super participativo e uma mãe que me ajuda em tudo. Não posso reclamar. Sei que algumas pessoas nem isso têm.

Mas vamos ao que interessa:

  1. Choro minhas pitangas aqui no blog – Desabafar com vocês é terapia, sem dúvida. Me faz um bem danado. Tudo bem que às vezes – quando recebo uns comentários um tanto maldosos – tenho vontade de jogar tudo pro alto. Mas logo passa e eu volto correndo contar minhas aventuras maternas por aqui.
  2. Leio outros blogs sobre maternidade – É tão bom saber que você não está sozinho nesse mundo e que tem um tantão de mães sentindo o mesmo que você e vivenciando as mesmas experiências, as mesmas alegrias e os mesmos perrengues.
  3. Acompanho blogs de culinária – Adoro. Vivo anotando receitas novas e experimentando-as aqui em casa. Posso passar horas procurando receitas, buscando inspirações para as refeições, pesquisando sobre novos ingredientes… Acho uma delícia.
  4. Faço bolo – Não sei por que, mas adoro fazer bolo. Hahaha. Mas muito mais do que fazer, adoro o cheirinho que fica pela casa. Dá uma sensação tão gostosa, um prazer inenarrável, um sentimento de paz, sei lá. Hahahaha. Ah, comê-lo também costuma ser muito bom.
  5.  Assisto seriados (ou filmes) com o marido várias vezes na semana – Depois que a Giulia dorme, quando não precisamos atualizar os blogs ou fazer qualquer outra coisa, eu e o maridão costumamos assistir alguma coisa. Somos viciados em série desde sempre. Já terminamos todas as temporadas de algumas, outras faltam várias para acabarem, algumas acompanhamos enquanto são lançadas e por aí vai. Falando nisso, esperando ansiosa pela próxima temporada de The Walking Dead. Haha.
  6. Deixo a pequena na casa da vovó e vou ao cinema – Não é sempre, mas quando é um filme que queremos muito assistir ou quando estamos necessitando muito de um momento relax, a minha mãe fica com a Giulia pra curtirmos um filminho. É tão bom.
  7. Chego ao consultório mais cedo para poder ler algumas páginas de um livro – É ótimo para conseguir manter a leitura em dia. Lá é silencioso e consigo me concentrar.
  8. Vou passar o dia na casa da minha mãe e tiro um cochilo à tarde, enquanto ela cuida da baixinha por mim – Tem coisa melhor?
  9. Às vezes (em alguns domingos), peço para o marido ficar com a Giulia de manhã, enquanto durmo até mais tarde – Normalmente ele fica com ela em casa, mas às vezes vai até à casa da mãe dele ou à casa da avó. E eu acordo só quando dá o horário de preparar o almoço.
  10. Tomo um banho bem demorado, enquanto a Giulia dorme ou enquanto o pai cuida dela – Banhos demorados costumam lavar até a alma. Fazem um bem absurdo.
  11. Coloco uma música bem alta e danço junto com a Giulia – É risada e diversão na certa. Depois disso me sinto preparadíssima para encarar uma pilha gigantesca de louças para lavar (tá, nem tanto Priscilla!).

E vocês, o que fazem para não surtar? Rs.

13 pessoas curtiram.

Como organizar a rotina com um bebê em casa

rotina mãe

No post de hoje quero dar algumas dicas de como organizar a rotina com um bebê em casa. Antes de tudo, quero deixar claro que não sou a pessoa mais organizada do mundo, muito pelo contrário. Mas como estou aprendendo na marra a manter as coisas em ordem por aqui, resolvi compartilhar com vocês o que tem dado certo pra mim.

Logo que a Giulia nasceu, meu marido tirou férias do trabalho e minha mãe passou um mês conosco nos ajudando, ou seja, eram três pessoas para cuidar da pequena e dos afazeres domésticos. Depois que minha mãe voltou pra casa dela e meu marido voltou a trabalhar eu penei pra conseguir criar uma rotina e, principalmente, conseguir dar conta dela! Meus dias eram muito instáveis, às vezes dormia nos horários de soneca da Giulia, às vezes não, às vezes lavava a louça do almoço, às vezes deixava acumular, às vezes me empolgava pra dar uma ajeitada na casa, às vezes deixava tudo de pernas pro ar! Com o passar do tempo, essa falta de rotina e organização foi me deixando completamente maluca, principalmente quando a Giulia começou a comer papinhas. Eu precisava botar ordem no caos! Uma coisa era eu ficar sem comer, porque não tinha feito nada para o almoço ou não tinha me organizado para ir ao mercado. Mas, deixar a pequena sem se alimentar não rolava.

Então bolei um plano, com o maridão claro (pois sem a ajuda dele não tem a mínima condição), e comecei a coloca-lo em prática! Confesso que no começo foi difícil, mas aos pouquinhos as coisas foram entrando nos eixos.

Que fique claro que não seguimos nenhuma rotina rígida. Nem sempre tem coisas deliciosas e variadas para comer. Nem sempre a casa tá arrumadinha e cheirosinha. Nem sempre as roupas estão todas lavadas. Mas o básico (que já conto pra vocês) a gente sempre faz, ou pelo menos tenta fazer (rs).

Bom, mas vamos às dicas:

  • Use uma agenda – Podem me chamar de antiquada, mas eu não abro mão de uma boa e velha agenda de papel e de uma caneta Bic (mentira! Pode ser qualquer caneta). Mas tudo bem, se você é adepto de tecnologias, pode usar a agenda do notebook, tablet ou do celular! O importante é anotar os principais compromissos e informações que não pode esquecer. Vida de mãe é loucura total né gente? Não dá pra confiar só na nossa memória. Eu anoto TUDO na agenda: datas de vacinação (mesmo já anotadas na caderneta), consultas com pediatra, contas pra pagar, coisas que preciso comprar no supermercado, etc.
  • Crie uma rotina pra você – Acho importante estabelecer horários não só para a criança, mas para você também. Normalmente nos preocupamos tanto com o dia a dia do bebê, que nos esquecemos de nós mesmos. Aqui em casa, a partir dos horários que a Giulia come, brinca e tira sonecas eu consegui organizar as minhas atividades também. Por exemplo: na soneca da tarde, eu aproveito para realizar as tarefas de casa, quando o pai chega, eu tomo o meu banho, quando ela dorme à noite, eu cuido do blog, e por aí vai. É claro que nem sempre consigo fazer tudo certinho, até porque, como já comentei com vocês, tem dias que trabalho no consultório (aí tudo muda), mas de uma maneira geral, tento manter as coisas organizadas dessa forma.
  • Não faça bagunça – Bebês sempre fazem aquela zona! É brinquedo espalhado pra cá, livrinho espalhado pra lá, comida jogada no chão, etc. Mas você não precisa ser igual né? Hehehe. Então quando chegar em casa, não jogue o casaco no sofá, não deixe o sapato no chão, a toalha na cama, o copo em cima da mesa. Guarde tudo nos seus devidos lugares! Já repararam que quando deixamos uma coisinha fora do lugar, parece que desanimamos com todo o resto e num piscar de olhos a casa vira um verdadeiro caos? Bom, pelo menos comigo é assim! Por isso que hoje em dia me policio muito para não deixar coisas espalhadas por aí.
  • Faça o básico todos os dias (e não deixe pra depois) – Pelo menos pra mim, o básico é: varrer o chão, limpar a cadeira de alimentação da Giulia após as refeições, lavar a louça e arrumar os brinquedos que a Giulia deixa espelhados pela casa. Cada um deve definir o que é mais importante. Aqui em casa esses quatro itens são essenciais. Se eu não fizer, fica tudo de pernas pro ar! Raramente (mesmo!), deixo alguma dessas tarefas acumulada para o dia seguinte! É muito mais fácil se livrar logo do problema. Deixar pra depois só prorroga o sofrimento, além de atrapalhar toda a rotina do dia seguinte.
  • Crie um cardápio semanal ou mensal – Eu e meu marido não somos tão rígidos quanto a isso. Não fazemos um cardápio completinho do tipo: “segunda: arroz, feijão, bife e suflê de chuchu, terça: Macarrão e peito de frango, etc.” Mas imaginamos o que gostaríamos de comer naquele mês (principalmente em relação a carnes) e montamos a nossa lista de supermercado com base nisso.
  • Congele – Eu congelo muita coisa e essa prática facilita a minha vida de uma forma absurda! Com carnes fazemos assim: compramos, por exemplo, três quilos de peito de frango… Deixamos ele bem limpinho e dividimos em três porções de um quilo cada. Uma porção a gente faz filés, a outra cortamos em cubinho para estrogonofe e a outra cozinhamos e desfiamos. Tudo pronto, colocamos todas as porções no congelador e vamos usando conforme o que queremos comer. A mesma coisa vale para a carne moída, o pedaço de alcatra, etc. Tenho costume também de fazer mini hambúrguer caseiro e congelar. Esse mês fiz tanto hambúrgueres de frango, quanto de carne. Ficam uma delícia! Além disso, congelo feijão (sempre faço uma quantidade maior para congelar, depois eu só tempero), pão de queijo caseiro, cebolinha e salsinha (lavo bem, pico e separo em mini potinhos), etc. Quando a Giulia comia comida separada da nossa eu também fazia as sopinhas em quantidades maiores e congelava, para oferecer naqueles dias mais críticos, que não temos tempo pra nada.
  • Divida as tarefas com o (a) seu companheiro (a) – Facilita muito. Aqui em casa, por exemplo, algumas tarefas ficam comigo, outras com meu marido. Por exemplo, sou eu quem escova os dentes da baixinha e quem cozinha e é ele quem faz ela dormir e leva o lixo pra fora. É claro que também não é algo rígido, estipulamos isso para facilitar um pouco nossa vida. Mas, se por algum motivo, eu não posso no momento escovar os dentes dela, ele escova numa boa, assim como se por algum motivo ele não pode fazer ela dormir, eu faço com o maior prazer! Não fazemos divisões de tarefas por gênero, fazemos de acordo com o que fica mais conveniente para os dois e cada um faz de tudo um pouco.
  • Deixe a casa totalmente segura e preparada para seu filho – Aqui em casa depois que colocamos grades de proteção na cozinha, protetores de tomada, tiramos cacarecos do rack e fizemos o quartinho Montessoriano, passamos a ter outra vida! A Giulia fica livre, leve e solta pela casa e eu não preciso ficar preocupada! Isso facilita muito, pois consigo fazer comida, pagar uma conta na internet, estender as roupas no varal, enquanto ela brinca sozinha. Ou seja, mantenho as coisas organizadas, mesmo com ela acordada!
  • Por último, não se cobre tanto! Deixar tudo perfeitamente arrumado e organizado é tarefa impossível, principalmente pra quem tem filhos! E, além disso, nem é legal né? Ficar cheia de neura e não conseguir relaxar e curtir a família não é nada bacana. É preciso achar um equilíbrio – desencanar, mas ao mesmo tempo conseguir manter um pouco de ordem nessa nossa louca, caótica, desorganizada e maravilhosa vida de mãe!
12 pessoas curtiram.

A exaustiva rotina de mãe

crazy-mom

Nunca prestei atenção na quantidade de coisas que faço durante o dia! Até que na segunda-feira, após eu dizer que estava morrendo de cansaço, precisando de uma massagem e o marido dizer: “casada do quê? Você não fez nada!” (calma! Ele não é nenhum monstro insensível. Falou brincando, pra me sacanear mesmo. Ele é daqueles que perde a esposa, mas não perde a piada. rs) , decidi recapitular tudo o que eu fiz.

Acordamos (eu e a Giulia). Dei mamá pra ela. Brincamos um pouco. Logo depois tomamos café da manhã. Ela dormiu (coisa raríssima de acontecer nesse horário). Coloquei uma tonelada de roupa pra lavar. Enquanto a máquina trabalhava fiz uma parte do almoço (tinha sobrado um pouco de arroz e feijão da noite anterior. Só precisei fazer uma saladinha e grelhar uns bifinhos).  Como ela já tinha acordado nesse meio tempo, eu dei o almoço. Depois que ela comeu tudo (mentira! Depois que comeu o que queria comer) limpei toda a bagunça que ela fez (tinha um monte de comida no chão e no cadeirão. Aff). Tudo relativamente limpo, deixei ela assistindo Discovery Kids e fui almoçar. Depois do almoço dei banho nela. Pendurei a tonelada de roupa que tinha lavado. Fui pro banho, enquanto ela ficou brincando sozinha no quartinho dela. Me arrumei. Arrumei a bolsa dela. Catei tudo: bolsa, bebê, chave do carro e saímos. Passei na farmácia (ela queria mexer em tudo, estava birrenta e inquieta e eu não sabia como segurá-la ao mesmo tempo em que pegava o cartão para pagar as minhas compras). Depois fomos ao postinho tomar a segunda dose da vacina da gripe e a gotinha (não fomos no dia da campanha). No posto passei por mais um sufoco. A Giulia queria entrar em todas as salinhas de atendimento, apertar todos os interruptores e arrancar todos os panfletos e cartazes que estavam presos no mural (inclusive alguns ela conseguiu. Pensa na minha cara de desespero e de vergonha?!). Mas sobrevivemos. Depois do posto voltamos pra casa. Foi só ela sair do carro que quis ir direto pro parquinho do condomínio. Ficamos lá um tempo. Ela ama o balanço e, se deixar, quer que a gente fique hooooras balançando! É um parto conseguir tirá-la de lá. Mas consegui. Só no trajeto parquinho-porta de casa, ela tentou voltar para brincar umas quinhentas vezes, um tênis dela saiu do pé, meu celular se espatifou no chão, ela levou um tombo naqueles, chorou, riu, parou pra mexer numa torneira, no carrinho de supermercado e eu me injuriei e peguei ela no colo. Chegando em casa trocamos de roupa. Dei tangerina à ela de lanchinho da tarde. Transformei um pão velho em torradas. Ofereci uma a Giulia, mas ela decidiu esfarelar a torrada todinha. Varri o chão. Fiz ela dormir (já estava na hora da sonequinha da tarde). Enquanto ela dormia, coloquei mais roupa pra lavar (deixei acumular. =/). Publiquei um post aqui no blog e respondi alguns e-mails. Lavei toda a louça. Ajeitei a cozinha. Passei pano no chão da sala. Catei todos os brinquedos espalhados. Arrumei o quartinho dela. Pendurei o restante das roupas que eu tinha lavado. Logo depois que ela acordou, o marido chegou. Ufa! Enquanto eles brincavam juntos, lá fui eu preparar a janta (suflê de chuchu, arroz, alcatra grelhada e tomates cereja). Dei janta pra ela e depois eu e marido jantamos. Tirei a mesa. Ficamos os três juntos um pouco. Próximo do horário dela dormir, marido escovou os dentes dela e trocou a fralda. Lavei toda a louça. Tudo devidamente limpo e no lugar, fui fazer ela dormir (dia atípico! Essa tarefa não é minha, é do meu marido, mas meu pai ligou bem na hora. Queria conversar com ele. E como sei que o papo dos dois vai sempre longe – falam demais – resolvi  tomar as rédeas da situação, rs). A baixinha se enrola pra dormir comigo, então lá se foram uns quarenta minutos tentando fazer com que ela pegasse no sono (qualquer dia explico como a gente faz aqui em casa). Depois que ela dormiu, saí do quarto e olhei no relógio: já passava das 22h. Entrei na internet, fiquei fuçando um blog aqui, outra acolá. Marido e eu decidimos assistir mais uma das palestras da Anete Guimarães. E eu implorei pela tal massagem. Tava só o pó. Ele não fez necessariamente a massagem, mas ganhei um carinho delicioso nas costas.

E assim foi o meu dia. Isso porque faltou contar todas as vezes que tive que trocar a fralda, todas as vezes que amamentei, todas as vezes que escovei os dentes dela, todas as vezes que ofereci água, todas as vezes que tive que tirá-la de dentro da gaveta, todas as vezes que tive que repreendê-la por puxar o aparelho da NET, todas as vezes que tive que dizer não quando ela tentava subir e pular na poltrona…e por aí vai! Rs.

É claro que tenho dias mais tranquilos que esse. Mas também tenho dias beeem mais corridos e estressantes. Às vezes tenho que trabalhar, às vezes não. Às vezes tem comida pronta, às vezes não. Às vezes temos algum (ou mil) compromisso (s), às vezes não. Às vezes a Giulia tá um anjo, mas na maioria das vezes não! Hahaha.

De qualquer forma, não posso reclamar, poderia ser muito pior! Hehe. Sei que existem muitas mamães que, por N motivos, possuem uma rotina bem mais complicada e cansativa que a minha e que passam por verdadeiros perrengues, seja com doença, falta de grana (ops, desse mal também sofro. rs), problemas de relacionamento com o parceiro, etc.

Só queria dizer com esse post que ser mãe é cansativo pra c*****, que tenho saudades da época em que podia sentar a bunda no sofá e assistir tranquilamente a sessão da tarde, que podia sair só com o celular, a minha carteira e a chave do carro, sem hora pra voltar, que podia fazer um miojo qualquer só pra tapear a fome, que podia acordar meio dia nos dias de folga…

Tudo bem que eu não trocaria a minha vida de hoje (com a baixinha) por nada nesse mundo, mas que às vezes dá vontade de gritar “PAREM O MUNDO QUE EU QUERO DESCER!”, ah isso dá!

8 pessoas curtiram.