Balde Terapêutico (Banho de Ofurô)

Quando estava montando o enxoval da minha filhota e pesquisando sobre os tipos de banheira que poderia comprar, fui “apresentada” a um novo tipo de produto: o balde terapêutico! Conhecido, originalmente, como Tummy Tub.

Lembro que vi este balde pela primeira vez em uma loja especializada em artigos infantis. A vendedora me contou todos os benefícios do produto e eu fiquei simplesmente encantada!

Chegando em casa, pesquisei bastante sobre o assunto e descobri que o banho de ofurô, como é normalmente chamado, é altamente recomendado pelos pediatras, fisioterapeutas e neonatologistas.

A proposta deste tipo de banho é de acalmar o bebê a partir da “simulação” da sua vida intra-uterina. O bebê fica encolhidinho na posição vertical e não de barriga para cima como nas banheiras tradicionais. Assim, sente-se mais protegido e resgata o que sentia dentro da barriga da mãe. E, além de acalmar o bebê, ele pode auxiliar no alívio das cólicas, ajudando o intestino a funcionar melhor.

Depois de ler e ouvir todas as indicações positivas do balde terapêutico, resolvi incluí-lo na lista de enxoval, como um item importante a ser comprado.

A princípio, pensei em adiquirir apenas o balde, deixando de lado a banheira tradicional. Mas, pensei melhor e achei que seria mais prudente ter a banheira em casa. E se eu não me adaptasse? E se fosse muito difícil ter que me abaixar nos primeiros dias para dar banho no balde? E se a Giulinha não gostasse deste tipo de banho, contrariando todas as pesquisas e todas as minhas expectativas? Eram muitas dúvidas!

Hoje vejo que tomei a decisão certa! O banho de ôfuro é ótimo!! O bebê fica realmente mais tranquilo, não é balela não! A Giulinha, pelo menos, adora! A questão é: Não rola dar banho tradicional, ou seja, esfregar o cabelinho, limpar bem todas as dobrinhas, etc. O balde é só pro bebê relaxar mesmo, como num spa…rs! Então, na minha opinião, o ideal é ter os dois: a banheira tradicional, para deixar o bebê limpinho e cheirosinho e o balde, para deixá-lo tranquilinho. Mas, como falei acima, essa é só a minha opinião. Sei de mães que dão banho completo no balde mesmo, mas eu não acho nada prático!

A banheira que comprei (ou melhor, escolhi, mas ganhei!) foi essa da Burigotto. Ela é bem completinha, tem suporte, trocador, porta shampoo e sabonete, mangueira para escoar a água, assento redutor, etc. Super recomendo! É ótima!

 

banheira burigotto

 

Em relação ao balde, confesso que não estava disposta a pagar cento e tantos reais pelo produto. Reconheço a ótima qualidade do tradicional balde Tummy Tub, mas descobri que existiam opções mais em conta!

O balde que comprei da pequena é esse da Sanremo. Na época encontrei nas Lojas Americanas por apenas 24,90 Reais. Ele é ótimo! Além de ser uma graça e estar disponível em cores  vivas e alegres, tem um acabamento perfeito, sem nenhuma rebarba de plástico sequer!

Balde terapêutico - banho ofurô

 

Vi que a Plasútil também fabrica este tipo de balde. Eles chamam de Banheira Sensitive. Não posso dizer nada a respeito da qualidade, pois dessa marca nunca experimentei, mas o preço também é super atraente, em torno de 30,00 a 40,00 Reais. Ah, e os desenhos são uns mais lindinhos que os outros! Olhem só que fofura:

 

Balde terapêutico plasútil

4 pessoas curtiram.

Sapatilhas Puket – Linha Baby!

Sou mega suspeita pra falar dos produtos da Puket. Acho tudo muito fofo, divertido e, principalmente, confortável. E quando descobri a linha baby fiquei ainda mais encantada. A única pessoa que se desesperou com essa minha “descoberta” foi meu marido, que previu os gastos que viriam com a aquisição dessas fofuras! Hehe.

Como minha filhota tem apenas quatro meses, os únicos produtos que consegui comprar até agora foram as meias-sapatilhas. A meia calça e a legging, por exemplo, eles só confeccionam para bebês a partir de um ano de idade (Não vejo a hora de poder experimentá-las na pequena!).

Na minha opinião, as meias-sapatilhas são ótimas para substituir aqueles sapatos duros e pesados, totalmente desnecessários e desconfortáveis para bebês tão novinhos. Desde que a Giulia nasceu eu optei por usá-las, prezando pelo conforto da pequena. Mas não foi só pelo conforto, claro! Essas meinhas são super lindas! Em pés tão delicados parecem sapatinhos de boneca e ficam um luxo dependendo da roupinha que você escolhe para combinar!

O ideal é usá-las até os três ou quatro meses, pois conforme o bebê vai crescendo os sapatinhos de “verdade” passam a ser a melhor opção. Ainda uso as meinhas na Giulia, principalmente em casa, mas como ela tá grandona e gorducha, elas já não se sobressaem tanto quanto antes! Então, para sair, acabo optando por um sapatinho ou, até mesmo, um tênis.

Mas para as mamães que acabaram de dar a luz às suas princesinhas ou as gravidinhas que estão montando o enxoval, acho que vale muito a pena conferir as meias-sapatilhas da linha baby! Dá até pra montar um conjuntinho lindo e levá-las para a maternidade.

Ah, e elas podem ser usadas com uma meinha branca por baixo, nos dias mais frios ou sozinhas, nos dias mais quentes!

CORRIGINDO: Pessoal, no último sábado, dia 11/08/2012, dei uma passadinha na Puket e descobri que eles confeccionam sim meia calça e legging para bebês menores de um ano! O tamanho PP, por exemplo, cabe tranquilamente na Giulia que está com 4 meses! 😉

12 pessoas curtiram.

Programa Mãe é Mãe

Mãe é Mãe - tudosobremae.com.br

O programa Mãe é Mãe é super bacana! Eu simplesmente adoro! A apresentadora Diana Bouth (uma fofa por sinal) se propõe a esclarecer dúvidas e a falar sobre as alegrias e desafios da maternidade. Os assuntos abordados são sempre muito interessantes: alimentação, brincadeiras, aprendizagem, amamentação, comportamento, entre outros.

O programa é todo bonitinho, com carinha de mãe mesmo! Tem uma ótima trilha sonora e faz a gente se emocionar de uma forma incrível.

Os episódios trazem entrevistas com pessoas comuns, especialistas e, até mesmo, com pais e mães famosos.
Eu sempre me emociono e me identifico muito com os relatos trazidos. Mãe é tudo igual né gente!? Frequentemente me pego pensando: “Nossa, é exatamente assim que acontece comigo!” ou “Juarava que era só minha filha que fazia isso”ou ainda “Como não pensei nisso antes! Vou anotar!”. Hahaha! Acho o máximo essa identificação que acontece e também acho super bacana poder aprender coisas novas constantemente. Afinal, sou mãe de primeira viagem né!?

Bom, Mãe é Mãe passa no GNT toda terça às 21:30, mas existem horários alternativos de reprise:  Quarta às 09:00 e às 13:30, Sábado às 13:00 e Terça às 18:30.
Vale muito a pena assistir, o programa é tudo de bom!!
Se quiserem obter mais informações, acessem o site do programa: http://gnt.globo.com/mae-e-mae/index.shtml

Espero que gostem!

Seja o primeiro a curtir.