Algumas verdades sobre a amamentação…

verdades amamentacao

Foto tirada daqui.

Amamentar é tudo de bom! Além do leite materno fornecer todos os nutrientes necessários à criança, ajudando na sua proteção e desenvolvimento, é um alimento que está sempre à disposição, na medida e temperatura certa! E o melhor de tudo: É grátis! Quer praticidade e economia maior do que essa?!

Mas o intuito deste post não é discorrer a respeito dos benefícios da amamentação, afinal todo mundo já está cansado de saber da importância do aleitamento materno!

O que eu gostaria de fazer é relatar um pouquinho da minha experiência com a Giulia e listar algumas verdades sobre a amamentação. Verdades estas que toda grávida deveria saber, pois o preparo físico e emocional, durante a gravidez, é muito importante para garantir e facilitar esse contato tão genuíno entre mães e filhos!

Bom, como algumas pessoas já sabem, tive muita dificuldade no início em amamentar a Giulia! A pequena era simplesmente preguiçosa demais (puxou a mãe! Rs). Em todo o período em que ficamos no hospital (quatro dias), não consegui amamentá-la. E não foi por falta de tentativa não! Lembro que praticamente TODAS as enfermeiras tentaram me ajudar nessa difícil tarefa, cada uma com uma técnica diferente…

Como a Giulia teve icterícia e precisou fazer banho de luz era fundamental que ela se alimentasse, afinal a fototerapia podia desidratá-la. Conclusão: Tivemos que dar fórmula infantil (leite Aptamil) no copinho. Nunca vou me esquecer do primeiro copinho que ela tomou! Ela se deliciou tanto com o leitinho e capotou logo em seguida. Tadinha!!!

Quando chegamos em casa, a dificuldade continuou. Não queria dar fórmulas à minha filha, mas me sentia cada dia mais esgotada e desanimada. A Giulinha tinha uma resistência muito grande em abrir a boca, não tinha a pega correta, não sugava, ou seja, ela não sabia mamar e não tinha a mínima ideia pra que servia o meu mamilo! Haha.

Nessa altura do campeonato muita gente já tinha dado pitaco, muitas lágrimas haviam caído dos meus olhos e muitos boatos falsos tinham surgido. Chegaram a me perguntar se era verdade que meu leite tinha empedrado e que eu estava com febre por causa disso! GENTE, isso nunca aconteceu! Pelo amor de Deus!

Bom, no segundo dia em casa meu marido, pulso firme que é, decidiu: “Vamos deixá-la com fome! Ela vai ter que mamar, seja por bem ou por mal”. E não é que funcionou? Não demos a fórmula e finalmente ela conseguiu mamar, aos trancos e barrancos, mas conseguiu! Mas não pensem que foi tudo lindo e maravilhoso! Era impossível fazer ela pegar diretamente no meu peito e tive que usar por um tempo um bico intermediário de silicone (compramos um da Amamente).

Lembro que um tempo depois a própria Giulia começou a rejeitar esse bico e lá fomos nós para um novo aprendizado: Amamentação sem o intermediário! Lembro que ela mamava super mal e eu sentia uma dor tão absurda que tinha vontade de chorar e sofria por antecipação, já pensando nas próximas mamadas. Mas aos pouquinhos a dor foi diminuindo e ela começou a ficar craque na arte de sugar!

Hoje em dia é muito tranquilo, não sinto qualquer tipo de dor ou dificuldade! A Giulinha tá cada dia mais forte (mais de 7kg com apenas 4 meses) e eu sinto muito orgulho de mim mesma por ter insistido e superado as minhas dificuldades!

Por isso eu digo: Não desistam tão fácil! No fim vale muito a pena! É um momento extremamente prazeroso e de muito amor e carinho entre você e seu filho!

Além disso, fico pensando como deve ser chato e difícil ter que preparar mamadeira, principalmente quando estamos fora de casa! Leite materno é tão prático! É só desabotoar a blusa e pronto! 😉

Bom, mas aí vão algumas verdades que precisam ser ditas:

  • Cada bebê é de um jeito! Existem aqueles que simplesmente abrem o bocão e já mamam bastante no primeiro dia de vida. Assim, sem nenhum esforço de sua parte. Mas existem aqueles que, assim como a Giulia, não querem mamar e não dominam muito bem essa arte, precisam ser ensinados com muita calma e perseverança. Portanto, esteja preparada para o pior! Hehe.
  • Muitas vezes vai doer e vai doer MUITO! Mas fecha os olhos, aperta o braço do maridão e vai com fé! Uma hora passa!
  • No início, principalmente, o leite vaza DEMAIS! Muitas vezes, enquanto você dá de mamar em um seio, o outro tá jorrando leite. Então, se prepare! Use conchas de amamentação ou absorventes de seio.
  • Se por algum motivo você não conseguir amamentar o bebê por um período, esgote o seio! Experiência própria: os seios incham e você não consegue sequer tocá-los de tanta dor.
  • Muitas vezes o bebê vai querer usar o seu bico como chupeta.
  • Nas madrugadas, frequentemente, você irá amamentar e dormir ao mesmo tempo. Por mais que você lute contra o sono, vai ser inevitável tirar uns cochilos de vez em quando.
  • No início, as mamadas são bem demoradas, podendo ter duração de até uma hora! Conclusão: Você terá pouquíssimo tempo para descansar entre uma mamada e outra.
  • É normal não menstruar durante a amamentação! Não se assuste! (Dessa vocês gostaram né?! Rs)
  • Também é normal seus cabelos caírem absurdamente! Aqui em casa tem fio de cabelo por toda a parte, esses dias encontrei um dentro da fralda da Giulia! Haha!
  • Se prepare pra sentir muita sede, muita mesmo! É só eu colocar a Giulia pra mamar que já berro: “Amor, pega água pra mim?”.
  • Por fim, uma notícia boa: é super comum emagrecer enquanto se amamenta. Pensa que é fácil produzir leite?

Bom, pessoal espero que eu tenha ajudado de alguma forma! Sou super a favor do aleitamento materno, realmente levanto essa bandeira! Mas queria mostrar que na prática não é tão fácil quanto parece…portanto, estejam preparados para qualquer contratempo que possa surgir. Mas, se eu consegui manter a amamentação exclusiva no seio, qualquer um consegue! haha

=D

4 pessoas curtiram.

Como descobri minha gravidez…

Como descobri minha gravidez

Em meados de Maio/Junho de 2011 eu e meu marido começamos a pensar na ideia de ter filhos. Queríamos planejar tudo bem direitinho, tentando conciliar a chegada do baby com a nossa carreira profissional e as nossas finanças. Como acontece com muitos casais, meu marido se sentia receoso e despreparado pra ser pai “tão cedo” (o dito cujo tem 33 anos, estamos juntos a nove anos e casados a quase três, então não seria tão cedo assim né?! rs). Ele queria ter filhos, mas pensava se íamos dar conta de cuidar de uma criança. Já eu, impulsiva que sou, pensava: “Relaxa, deve ser moleza!”. Hahaha! Doce ilusão! Bom, depois de infinitas conversas sobre o assunto, enfim decidimos: Começaríamos a tentar engravidar no final do ano (Dezembro de 2011)!

Não sei porque cargas d’água eu achava que era uma daquelas pessoas que tinham uma dificuldade imensa de engravidar, que ficaria tentando durante meses ou, até mesmo, durante anos. Mal sabia eu que seria mega, super, hiper fácil!

Bom, eu sempre fui muito desregrada pra tomar remédio! Eu simplesmente esqueço de tomar, deixo passar o horário, o dia…e por aí vai. Sem contar que odeio engolir comprimido, mesmo comprimido de anticoncepcional que é pequenininho! Moral da história: tava tomando tudo errado!

Nessa mesma época das conversas que tínhamos sobre filhos, eu deveria ter comprado uma nova cartela de anticoncepcional, pois já tinha dado o intervalo de sete dias entre uma cartela e outra. Porém, esqueci de comprar! Mas até aí tudo bem, pensei com meus botões: “Amanhã eu compro sem falta, um diazinho a mais de intervalo não vai fazer diferença!”. No dia seguinte, pedi pro maridão passar na farmácia e comprar, mas adivinhem: ele esqueceu! No outro dia, a mesma coisa, nem eu nem ele lembramos! Será que era um desejo inconsciente de engravidar já naquele mês? Haha! Só sei que se passaram vários dias da data exata em que deveria ter começado a nova cartela. Me injuriei e decidi: Não vou mais comprar e nunca mais tomarei comprimidos! Marquei ginecologista e estava decidida a pedir indicação de um outro tipo de anticoncepcional: adesivo, injeção…qualquer coisa! Menos comprimido!

E fui levando a vida normalmente enquanto não chegava o dia da consulta…

Dia 11 de Julho foi a data da minha última menstruação e no final deste mesmo mês nos descuidamos um pouquinho, se é que vocês me entendem…rs! Mas nem pensamos nas consequências, até porque seria improvável que eu engravidasse assim tão fácil, por causa de um “descuidozinho” só! Haha…sonho meu!

Lembro que foi tudo muito rápido! E descobri que estava grávida antes mesmo da menstruação atrasar!

Na primeira semana de Agosto comecei a sentir uma cólica chata, coisa que nunca tinha acontecido comigo! Eu sentia cólica apenas no primeiro dia da menstruação e era bem fraquinha. Mas essa dor era diferente e persistia! Comecei então a desconfiar: “Será??!!”

Como eu sou mega ansiosa (problema sério! Haha), dia 05 de Agosto, numa sexta-feira, decidi comprar um teste de farmácia. É claro que eu tinha quase certeza de que o teste não ia dar certo, até porque nem atrasada a minha menstruação estava. Não contei nada pro meu marido, pois tinha plena confiança de que ele me chamaria de louca e pediria pra eu esperar um pouco. Haha. Mas eu não podia esperar!!!!! Fiz o teste à noite. Coloquei a tirinha no pote de urina e logo de cara veio aquela primeira listra bem forte, mas nada da segunda listra! Fiquei um tempo esperando e quando estava quase jogando o teste fora, notei que se formava uma segunda listra beeeeeeem clarinha. Tirei uma foto com o celular, joguei o teste fora e continuei pensando: Será? Será? Serááááá??? Não sabia se contava ou não pro meu marido, mas eu precisava compartilhar isso com alguém…respirei fundo e mostrei a foto pra ele! Ele ficou meio sem reação, me olhando com uma cara de tacho…rs! Depois abriu um sorrizinho, enquanto eu dizia: “deve ter dado errado, não sei não, minha menstruação nem atrasou ainda, preciso fazer outro teste!”. Mas ele achava que não precisava, pois se nas instruções dizia que uma segunda listra significava gravidez, então eu realmente estava grávida. Mas eu não ia me convencer tão fácil assim!

No dia seguinte comprei um novo teste e o resultado foi o mesmo: uma segunda listra beeeem clara. Mas eu continuava encucada e, como sempre, decidi recorrer ao Dr. Google. Encontrei de tudo, lógico! Mulheres que fizeram o teste, apareceram as duas listras e realmente estavam grávidas, mulheres que fizeram o teste e não apareceram as duas listras e mesmo assim estavam grávidas e encontrei até mesmo relatos de mulheres que diziam ter visto nitidamente as duas listras, mas se tratavam de falsos positivos! Sempre escutei falar de falsos negativos, mas falsos positivos eram raros! Maaaas, havia uma possibilidade então! Haha!

Eu não queria acreditar que aquilo estava acontecendo comigo, parecia um sonho, algo surreal. Como assim grávida? Mas já? Tão fácil? No fundo, no fundo, eu sou assim com tudo! Custo a acreditar que coisas boas possam acontecer comigo e quando acontecem tento me resguardar ao máximo. É uma forma de defesa, uma forma de me preparar caso algo de ruim ou inesperado aconteça.

Bom, mesmo obtendo exatamente o mesmo resultado com os dois testes, resolvi partir pro terceiro. Isso mesmo, TERCEIRO! Tá bom, eu sei! Realmente tenho uns parafusos a menos! Mas tentem relevar tá? Os hormônios da gravidez já estavam a todo vapor! Rs… Esse terceiro teste que comprei foi um pouquinho diferente, aquele tipo uma caneta sabem?! Comprei no domingo, mas decidi usar somente na segunda de manhã! Ainda não sei como consegui controlar minha ansiedade, mas tudo bem…

O resultado vocês já sabem né?! Mais uma vez apareceu uma segunda listra, só que dessa vez mais forte que as anteriores. É, não tinha pra onde fugir, eu REALMENTE estava grávida. Mas, pra garantir mesmo, nada melhor do que um exame de sangue né?! Hahaha… E lá estava a louca, segunda à tarde, colhendo o sangue no laboratório. Resultado: Dosagem de Beta-HCG: 265,40 mIU/mL. Agora sim já dava pra espalhar a notícia: teríamos mais um bebê na família!

Mas não pensem que foram “apenas” quatro testes. O Dr. Google me disse que a dosagem de Beta-HCG deveria continuar aumentando e lá veio a pulguinha atrás da orelha: “E se não estiver aumentando?”. Então dia 12 de Agosto, sexta-feira, lá estava eu colhendo sangue mais uma vez. Resultado: Dosagem de Beta-HCG: 1.461,60 mIU/mL. Ufa! Já podia respirar aliviada.

E foi aí que nossa história de amor começou! Muitas coisas aconteceram, muitas sensações foram experimentadas…mas isso já é assunto pra outros posts!

Por ora, vale dizer que ser mãe foi a melhor coisa que poderia ter acontecido na minha vida!

5 pessoas curtiram.