A exaustiva rotina de mãe

crazy-mom

Nunca prestei atenção na quantidade de coisas que faço durante o dia! Até que na segunda-feira, após eu dizer que estava morrendo de cansaço, precisando de uma massagem e o marido dizer: “casada do quê? Você não fez nada!” (calma! Ele não é nenhum monstro insensível. Falou brincando, pra me sacanear mesmo. Ele é daqueles que perde a esposa, mas não perde a piada. rs) , decidi recapitular tudo o que eu fiz.

Acordamos (eu e a Giulia). Dei mamá pra ela. Brincamos um pouco. Logo depois tomamos café da manhã. Ela dormiu (coisa raríssima de acontecer nesse horário). Coloquei uma tonelada de roupa pra lavar. Enquanto a máquina trabalhava fiz uma parte do almoço (tinha sobrado um pouco de arroz e feijão da noite anterior. Só precisei fazer uma saladinha e grelhar uns bifinhos).  Como ela já tinha acordado nesse meio tempo, eu dei o almoço. Depois que ela comeu tudo (mentira! Depois que comeu o que queria comer) limpei toda a bagunça que ela fez (tinha um monte de comida no chão e no cadeirão. Aff). Tudo relativamente limpo, deixei ela assistindo Discovery Kids e fui almoçar. Depois do almoço dei banho nela. Pendurei a tonelada de roupa que tinha lavado. Fui pro banho, enquanto ela ficou brincando sozinha no quartinho dela. Me arrumei. Arrumei a bolsa dela. Catei tudo: bolsa, bebê, chave do carro e saímos. Passei na farmácia (ela queria mexer em tudo, estava birrenta e inquieta e eu não sabia como segurá-la ao mesmo tempo em que pegava o cartão para pagar as minhas compras). Depois fomos ao postinho tomar a segunda dose da vacina da gripe e a gotinha (não fomos no dia da campanha). No posto passei por mais um sufoco. A Giulia queria entrar em todas as salinhas de atendimento, apertar todos os interruptores e arrancar todos os panfletos e cartazes que estavam presos no mural (inclusive alguns ela conseguiu. Pensa na minha cara de desespero e de vergonha?!). Mas sobrevivemos. Depois do posto voltamos pra casa. Foi só ela sair do carro que quis ir direto pro parquinho do condomínio. Ficamos lá um tempo. Ela ama o balanço e, se deixar, quer que a gente fique hooooras balançando! É um parto conseguir tirá-la de lá. Mas consegui. Só no trajeto parquinho-porta de casa, ela tentou voltar para brincar umas quinhentas vezes, um tênis dela saiu do pé, meu celular se espatifou no chão, ela levou um tombo naqueles, chorou, riu, parou pra mexer numa torneira, no carrinho de supermercado e eu me injuriei e peguei ela no colo. Chegando em casa trocamos de roupa. Dei tangerina à ela de lanchinho da tarde. Transformei um pão velho em torradas. Ofereci uma a Giulia, mas ela decidiu esfarelar a torrada todinha. Varri o chão. Fiz ela dormir (já estava na hora da sonequinha da tarde). Enquanto ela dormia, coloquei mais roupa pra lavar (deixei acumular. =/). Publiquei um post aqui no blog e respondi alguns e-mails. Lavei toda a louça. Ajeitei a cozinha. Passei pano no chão da sala. Catei todos os brinquedos espalhados. Arrumei o quartinho dela. Pendurei o restante das roupas que eu tinha lavado. Logo depois que ela acordou, o marido chegou. Ufa! Enquanto eles brincavam juntos, lá fui eu preparar a janta (suflê de chuchu, arroz, alcatra grelhada e tomates cereja). Dei janta pra ela e depois eu e marido jantamos. Tirei a mesa. Ficamos os três juntos um pouco. Próximo do horário dela dormir, marido escovou os dentes dela e trocou a fralda. Lavei toda a louça. Tudo devidamente limpo e no lugar, fui fazer ela dormir (dia atípico! Essa tarefa não é minha, é do meu marido, mas meu pai ligou bem na hora. Queria conversar com ele. E como sei que o papo dos dois vai sempre longe – falam demais – resolvi  tomar as rédeas da situação, rs). A baixinha se enrola pra dormir comigo, então lá se foram uns quarenta minutos tentando fazer com que ela pegasse no sono (qualquer dia explico como a gente faz aqui em casa). Depois que ela dormiu, saí do quarto e olhei no relógio: já passava das 22h. Entrei na internet, fiquei fuçando um blog aqui, outra acolá. Marido e eu decidimos assistir mais uma das palestras da Anete Guimarães. E eu implorei pela tal massagem. Tava só o pó. Ele não fez necessariamente a massagem, mas ganhei um carinho delicioso nas costas.

E assim foi o meu dia. Isso porque faltou contar todas as vezes que tive que trocar a fralda, todas as vezes que amamentei, todas as vezes que escovei os dentes dela, todas as vezes que ofereci água, todas as vezes que tive que tirá-la de dentro da gaveta, todas as vezes que tive que repreendê-la por puxar o aparelho da NET, todas as vezes que tive que dizer não quando ela tentava subir e pular na poltrona…e por aí vai! Rs.

É claro que tenho dias mais tranquilos que esse. Mas também tenho dias beeem mais corridos e estressantes. Às vezes tenho que trabalhar, às vezes não. Às vezes tem comida pronta, às vezes não. Às vezes temos algum (ou mil) compromisso (s), às vezes não. Às vezes a Giulia tá um anjo, mas na maioria das vezes não! Hahaha.

De qualquer forma, não posso reclamar, poderia ser muito pior! Hehe. Sei que existem muitas mamães que, por N motivos, possuem uma rotina bem mais complicada e cansativa que a minha e que passam por verdadeiros perrengues, seja com doença, falta de grana (ops, desse mal também sofro. rs), problemas de relacionamento com o parceiro, etc.

Só queria dizer com esse post que ser mãe é cansativo pra c*****, que tenho saudades da época em que podia sentar a bunda no sofá e assistir tranquilamente a sessão da tarde, que podia sair só com o celular, a minha carteira e a chave do carro, sem hora pra voltar, que podia fazer um miojo qualquer só pra tapear a fome, que podia acordar meio dia nos dias de folga…

Tudo bem que eu não trocaria a minha vida de hoje (com a baixinha) por nada nesse mundo, mas que às vezes dá vontade de gritar “PAREM O MUNDO QUE EU QUERO DESCER!”, ah isso dá!

8 pessoas curtiram.

Psicóloga. Apaixonada por cinema, viagens, gastronomia e decoração. Mamãe da Giulia.

Comentários

  1. Diz::

    Calma Priscilla… depois de uns dois aninhos as coisas melhoram… bem, não sei se melhoram ou a gente se adapta melhor kkkk, enfim dá um trabalhão ter, cuidar e educar essas criaturinhas amadas, mas é a coisa mais gratificante que existe, não é? bjos…

  2. caroline Diz::

    Super me identifiquei! Minha rotina é bem parecida com a sua. Só faltou passar a roupa, que faço à noite, depois que a minha pequena dorme. E estou sempre cansada demais pra isso e deixo pro dia seguinte… Aí acumula e me ralo passando uma pilha gigante. RS… Adorei seu blog! Parabéns!

    • Priscilla Diz::

      Carol, eu ODEIOOO passar roupa! Eu e meu marido só passamos as roupas que realmente precisam ser passadas e só quando vamos de fato usar, acredita?
      Preguiça total! Hehehe
      Mas essa nossa rotina não é fácil né? Cansa mesmo! 😉
      Obrigada pelo carinho!
      Beijão e força na peruca aí! haha

  3. Adorei a matéria, até publiquei no meu facebook. hehe
    É bem isso mesmo, costumo dizer que corro uma maratona por dia.
    Agora meu filho já esta com 4 anos, é bem menos cansativo essa parte de ter que dar bronca, trocar fralda, ele faz quase tudo sozinho é bem independente.
    Porém eu tento voltar a ter realmente uma rotina de trabalho, estou tentando ser dedicada ao trabalho e boa profissional.
    Mas não é nada fácil, trabalho, casa, marido, filho, clientes, tarefa escolar, natação, festinhas dos coleguinhas e assim vai……….
    Todo dia eu tento e a cada dia fico mais organizada, sei que tudo vai passar então vale a pena.
    Lindo blog, uma fofura.

    • Priscilla Diz::

      Oi Michele!
      Verdade, é uma maratona! Hehehehe!
      Mas como vc falou, vale a pena! E com um pouquinho de determinação e organização, as coisas vão entrando nos eixos!
      Só fico pensando quando vier o próximo! rs. Vc pensa em ter mais um?
      Obrigada pelos elogios!
      Beijo enorme! 😉

  4. Cid@ Diz::

    Nossa estou com um bebê de 7 meses, trabalho fora, tenho uma rotina bem puxada e fico me perguntando se algum dia as coisas irão entrar nos eixos…rssrrss
    Mas amo tudo isso, mesmo as vezes ou muitas vezes exausta…mas o sorriso do meu principe faz com que tudo se torne mais alegre.

    bjs

Deixe seu comentário

*