Mãe certinha demais?

mãe certinha

Muita gente me acha uma mãe certinha demais (pra não dizer chata, crica ou neurótica). Acham que só porque eu penso assim e não assado ou porque sou a favor do método X e não Y, sou cheia de neuras e frescuras.

Mas, sinceramente, estou longe de ser certinha. Muito menos chata e neurótica! Cuido sim do que acho que devo cuidar. Mudo sim o que acho que devo mudar. Evito o que acho que devo evitar. E por aí vai. Mas que mãe não é assim? Que mãe não quer o melhor pro seu filho? Que mãe não se esforça para melhorar a cada dia? Que mãe não faz o possível – e o impossível – para ver o filho bem e feliz?

O problema é que, muitas vezes, as pessoas não respeitam a forma como o outro decide criar e educar o seu filho. Vêm com sete pedras nas mãos. Mas que coisa! Tenho ficado bem chateada com isso ultimamente, sei que não devia, mas fico!

Vejo nas redes sociais mães quebrando o pau por discordarem em alguns pontos. Tantas ofensas. Tanta baixaria. Tanta mãe se achando melhor do que as outras. Pra quê meu Deus? Cada um sabe o que faz! É muito fácil julgar quando não se está no lugar do outro.

Por aqui (não me refiro ao blog e sim à minha vida) recebo críticas, direta ou indiretamente, por n motivos: ser super a favor do parto normal (mesmo tendo feito uma cesárea), por ser contra a chupeta (mesmo tendo apelado pra ela nos momentos de desespero. Ainda bem que a Giulia não pegou – e eu não insisti muito), por não ver o berço com bons olhos (mesmo tendo comprado um pra Giulia quando estava grávida), por amamentar em livre demanda, inclusive nas madrugadas, e ser ultra a favor do aleitamento materno (mesmo tendo sofrido um bocado por conta de vários problemas com a amamentação), por não querer oferecer doces e industrializados até, pelo menos, dois anos (mesmo ela já tendo experimentado algumas besteirinhas), etc.

Esse último item então, é pracabá! Acho que vem daí a fama de fresca e certinha. As pessoas não entendem a minha opção. Não entendem os meus motivos. Não entendem os meus argumentos. Na verdade, não querem entender. E, sinceramente, ninguém precisa entender! Basta respeitar! Mas tá difícil.

E olha que eu nem sou intransigente, meticulosa e/ou cheia de regras. Sinceramente, me acho bem equilibrada nesse aspecto. E mesmo assim levo a fama. Imagina se eu fosse realmente tudo isso e mais um pouco? Tava lascada!

O fato é que se você errar você será criticado. E se você acertar também (leia só esse post). Porque existem sempre os dois lados da moeda. Uma mesma atitude pode ser vista com bons e maus olhos. Quem é a favor da cama compartilhada, da alimentação consciente e do aleitamento materno em livre demanda pode me achar uma mãe excelente, mas quem é contra pode me achar uma bruxa (ui!).

Mas tudo bem se você me achar uma péssima mãe, tem todo o direito, desde que guarde isso pra você e me respeite! Simples.

Porque eu sou sim péssima em muitas situações, mas sou ótima em tantas outras. Na realidade sou como qualquer outro ser humano: ao mesmo tempo luz e escuridão, amor e ódio, alegria e tristeza, sabedoria e ignorância.

Como mãe, ora erro, ora acerto. Mas sempre reflito sobre meus erros e tento ser melhor. Não melhor do que fulano ou ciclano, mas melhor do que eu mesma, do que fui ontem, do que sou hoje. A competição é sempre interna e não externa.

P.S.: Quem sabe ler em inglês, dá uma olhadinha aqui nesse post, que foi de onde tirei a foto para ilustrar o meu texto. Muito bacana!

11 pessoas curtiram.

Estação de trem – Decoração para festa

Olá meus amores! Essa semana uma leitora muito querida (a Dani Martinez ♥) me enviou uma festinha linda de morrer! E é lógico que eu tinha que postar!

A festinha é uma verdadeira estação de trem, com direito a tíquete de embarque, bagabens e muitos trens! Coisa linda de viver! Essa festa foi feita para um menininho, mas eu acho que fazendo algumas adaptações é super usável para meninas também! Nas fotos não mostra o aniversariante, mas eu colocaria a criança vestida de maquinista, já pensou? Acho que ia ficar bem legal!

Tudo na festa foi pensado para estar em harmonia com o tema, as maçãs de chocolate, os cake pops, as embalagens dos marshmallows , tudo foi decorado e personalizado com coisas relacionadas a trens e ferrovias. A única coisa que eu mudaria seria os trens das tags e embalagens, deixaria mais estilizado e com carinha de criança assim como os trens do bolo ou das maçãs de chocolate. Acho que ficaria mais leve e delicado.  Mas a idéia geral da festa é linda e muito inspiradora!

11

Esse era o convite! Achei a idéia genial!

1 3 2 4 7 6 9 8 10

5

As malas servindo de suporte para os doces ficou demais!

O que vocês acharam? Lindo né?!

Dani, mais uma vez obrigada pela dica e por sempre acompanhar e contribuir com o blog com tanto carinho!

E se vocês, leitoras, tiverem alguma coisa que queiram ver aqui no blog é só mandar pra gente! Ficaremos muito felizes!!!

14 pessoas curtiram.

Lenços Umedecidos Natural Baby

natural baby

Nos últimos dias, tenho usado nas trocas de fralda da baixinha os lenços umedecidos Natural Baby, da Ever Green, e resolvi vir aqui compartilhar com vocês a minha impressão sobre eles.

Bom, de todos os lenços umedecidos que eu já experimentei – e contei pra vocês aqui e aqui – sem dúvida, o que eu mais gosto é o da Pampers (embalagem verde). Sempre que dá, é ele que eu compro.

Acontece que semana passada, quando os lencinhos da Giulia acabaram e eu tive que ir no Pão de açúcar (mercado com preços altíssimos, na minha opinião) para comprar um pacotinho novo, quase caí pra trás quando vi o preço do lenço da Pampers – R$ 14,00 com 64 unidades.

Procurei uma opção mais em conta (já que não ia conseguir ir em outro local achar o da Pampers por um preço mais camarada) e foi aí que me deparei com o Natural Baby. De cara meus olhinhos brilharam: R$ 9,90 por um pacote com 100 unidades! “Opa, tá compensando muito” – pensei.

Levei, mas fiquei com aquela pulguinha atrás da orelha: Será que é bom? Será que vou ter que comprar outro depois e o barato sairá caro?

Enfim, me surpreendi com a qualidade do lencinho! Achei ótimo! O tamanho é super bom (15×20 cm), bem parecido com os das marcas mais famosinhas. É macio. Úmido na medida certa. Estica, mas não rasga. Limpa super bem. E tem um cheiro bem agradável, apesar de não lembrar muito fragrância de produto infantil. O único ponto negativo (que, na verdade, eu nem dou bola) é que ele não é entrelaçado um no outro, cada lencinho é dobrado separadamente, então pra tirar às vezes é um pouco mais complicado, saem vários de uma só vez ou você não consegue achar a ponta. Mas sério, isso já foi problema pra mim, hoje em dia não tô nem aí, o lencinho sendo bom, pouco importa se ele é entrelaçado ou não!

Acho que vale muito a pena! Podem comprar sem medo, mamães!

Ah, e pelo o que eu vi, eles também são vendidos em embalagens com 50 unidades – mais fáceis de serem carregados na bolsa! Apesar que eu adorei comprar logo um pacotão, aqui em casa usamos MUITO! A Giulia faz xixi demais e cocô de três a quatro vezes ao dia, acreditam? A criatura é uma máquina de fazer cocô! Hahahaha!

Enfim, recomendo!

12 pessoas curtiram.

Parede para as crianças desenharem!

Que tal providenciar uma parede para as crianças desenharem a vontade?

Pra quem não sabe, o desenho é extremamente importante para o desenvolvimento infantil. Além de ser uma forma da criança se expressar, transformando suas experiências e emoções em cores, traços e formas, é fundamental para a estimulação de vários aspectos cognitivos, como: atenção, percepção, linguagem, raciocínio, etc.

Portanto, o desenho deve ser MUITO incentivado. Seja na escola ou em casa!

Infelizmente, muitos pais desencorajam seus filhos a desenharem e acreditam que o desenho nada mais é do que um simples passatempo. Já trabalhei bastante com crianças e já escutei várias histórias de pais reclamarem que os filhos desenhavam demais na escolinha e que deveriam fazer algo mais produtivo! No próprio consultório, certa vez uma mãe me questionou: Compensa eu pagar a consulta para o meu filho vir aqui desenhar com você? Apesar de não parecer (esse é um dos problemas da escrita), ela me perguntou de forma super carinhosa, apenas por não entender – de fato – a importância do desenho (nesse caso, para fins de intervenção psicológica).

Vejo que muitos pais ainda não se deram conta de que o “simples” desencorajamento (através de palavras e atitudes que, muitas vezes, passam despercebidas) contribui para o bloqueio de vários outros processos importantes na infância, como a fantasia e a criatividade.

Ok, mas o intuito do post nem é esse! Haha! Queria apenas dar algumas dicas bacanas de como transformar uma parede qualquer em um belo “quadro” para as crianças desenharem.

Aqui em casa quero muito estimular a baixinha a soltar a criatividade dela! Já tenho dado, de vez em quando, papel e giz de cera para ela ir se familiarizando com o negócio. Hehe! Até que sai uns rabiscos, mas a coordenação motora necessária pra este tipo de atividade ainda não está muito bem desenvolvida, fora que – vira e mexe – ela quer comer o giz de cera. Mas tudo bem, faz parte! rs.

Mais pra frente, quando ela estiver maiorzinha, quero colocar em prática alguma dessas ideias que vou mostrar hoje pra vocês! Quero que ela tenha um espaço grande – e só dela – para rabiscar, colorir, desenhar, escrever.

Contei a ideia pro meu marido e ele disse: “ah, mas podemos comprar um quadro, não precisa ser necessariamente uma parede!”. Mas a graça é desenhar na parede, ora bolas! Hahaha. E vai dizer que não é o sonho de toda criança?

É claro que ela poderá desenhar também em papéis, cadernos, caixas de papelão, etc. Mas acho que ter um espaço na parede vai ser bem bacana, vocês também não acham?

Não preciso nem dizer que regras e limites devem existir né? Óbvio que a criança não pode sair pintando tudo por aí! É preciso deixar bem claro onde ela pode e onde ela não pode desenhar.

Bom, mas vamos ao que interessa.

Parede Quadro Negro:

1

Demais né? Pra transformar a parede em um quadro negro é bem simples, basta usar uma tinta específica. O processo de pintura é igualzinho a qualquer outra tinta convencional. Se optar pela Coral, a tinta que você deve procurar se chama Esmalte Sintético Coralit Fosco. Se optar pela Suvinil, procure pela Suvinil Esmalte Fosco.

Para desenhar, usa-se o giz e para apagar, um pano úmido! Acho que apagador também deve servir!

Outras fotos para servir de inspiração (tiradas todas do Google Imagens):

2

3

5

7

4

10

8

Parede Lousa Branca:

11

12

Essa ideia genial achei nesse site aqui. Para conseguir esse efeito, basta colar na parede um adesivo vinílico. Veja só o passo a passo completinho.

Para escrever, usa-se caneta específica para quadro branco e para apagar, um simples paninho!

Mais fotos (também tiradas do Google Imagens):

13

14

Parede Papel Kraft (pardo):

Essa ideia é mais simples, mas não deixa de ser tão bacana quanto as outras!

Basta cobrir uma parede com papel Kraft. As crianças podem desenhar com qualquer tipo de material: canetinhas, lápis de cor, giz de cera, etc. E o papel pode ser trocado sempre que achar necessário.

15

Imagem tirada do blog Roteiro Baby.

16

Imagem tirada do blog Potencial Gestante.

E aí, o que acharam?

10 pessoas curtiram.

Um dicionário feito por crianças

IMAGEN-12927996-1A notícia é antiga (de maio desse ano) mas acho que vale a pena compartilhar com vocês, afinal a sabedoria das crianças nos encanta e nos ensina sempre!

Bom, o negócio é que um livro chamado “Casa das estrelas: o universo contado pelas crianças” fez o maior sucesso Feira Internacional do Livro de Bogotá desse ano e ganhou popularidade mundial pela idéia genial, por ser uma fofura e também por nos fazer parar pra pensar na grande sabedoria dos pequenos. O livro foi escrito pelo professor Javier Naranjo e é uma compilação de definições de crianças para as mais diversas palavras, tipo um dicionário mesmo. Sai cada coisa gente… muito legal! São definições cheias de poesia e sabedoria, apesar de serem apenas crianças. Ou talvez por isso mesmo, já que as crianças ” têm uma lógica diferente, outra maneira de entender o mundo, outra maneira de habitar a realidade e de nos revelar muitas coisas que esquecemos”, diz Naranjo.

Tudo começou em uma comemoração do dia das crianças quando ele pediu para seus alunos escreverem uma definição da palavra ‘criança’ e uma delas chamou sua atenção. A definição era essa: uma criança é um amigo que tem o cabelo curtinho, não toma rum e vai dormir mais cedo. Então ele teve a ideia de pedir para seus alunos escreverem definições de várias outras palavras, foi registrando tudo durante uns 8 anos e transformando tudo isso num grande dicionário. Daí saiu o livro e aqui você confere algumas palavras e suas respectivas definições:

  • Adulto: Pessoa que em toda coisa que fala, fala primeiro dela mesma (Andrés Felipe Bedoya, 8 anos)
  • Ancião: É um homem que fica sentado o dia todo (Maryluz Arbeláez, 9 anos)
  • Água: Transparência que se pode tomar (Tatiana Ramírez, 7 anos)
  • Branco: O branco é uma cor que não pinta(Jonathan Ramírez, 11 anos)
  • Camponês: um camponês não tem casa, nem dinheiro. Somente seus filhos (Luis Alberto Ortiz, 8 anos)
  • Céu: De onde sai o dia (Duván Arnulfo Arango, 8 anos)
  • Colômbia: É uma partida de futebol (Diego Giraldo, 8 anos)
  • Dinheiro: Coisa de interesse para os outros com a qual se faz amigos e, sem ela, se faz inimigos(Ana María Noreña, 12 anos)
  • Deus: É o amor com cabelo grande e poderes(Ana Milena Hurtado, 5 anos)
  • Escuridão: É como o frescor da noite (Ana Cristina Henao, 8 anos)
  • Guerra:Gente que se mata por um pedaço de terra ou de paz (Juan Carlos Mejía, 11 anos)
  • Inveja: Atirar pedras nos amigos (Alejandro Tobón, 7 anos)
  • Igreja: Onde a pessoa vai perdoar Deus (Natalia Bueno, 7 anos)
  • Lua: É o que nos dá a noite (Leidy Johanna García, 8 anos)
  • Mãe: Mãe entende e depois vai dormir (Juan Alzate, 6 anos)
  • Paz: Quando a pessoa se perdoa (Juan Camilo Hurtado, 8 anos)
  • Sexo: É uma pessoa que se beija em cima da outra (Luisa Pates, 8 anos)
  • Solidão: Tristeza que dá na pessoa às vezes(Iván Darío López, 10 anos)
  • Tempo: Coisa que passa para lembrar (Jorge Armando, 8 anos)
  • Universo: Casa das estrelas (Carlos Gómez, 12 anos)
  • Violência: Parte ruim da paz (Sara Martínez, 7 anos)

Acho que acima de qualquer coisa esse livro chama a atenção para a sabedoria das crianças e não, não é só porque elas são pequenas que elas não sabem quase nada. Elas sabem, nos ensinam e nos fazem refletir sobre muita coisa. É o que eu sempre digo: Nunca subestime uma criança! (em TODOS os sentidos, haha).

2 pessoas curtiram.